RSS

Arquivos mensais: Setembro 2008

Mais um pouquinho de presunção de inocência

Não falei, no post “Presunção de inocência, sempre ela“, que a discussão sobre o tema seria interessante?

Pois acabei de receber um comentário, no post, enviado por Bruno Siqueira França. O comentário é bem completo e entendi importante transcrevê-lo diretamente no blog, para enriquecer a discussão.

Segue o comentário:

=====================================================

Nesse tema, cumpre registrar que a AMB submeteu a ressalva contida na alínea “g” do inciso I do art. 1º da Lei Complementar nº 64/90 (salvo se a questão estiver sendo submetida à apreciação do Poder Judiciário) ao Supremo Tribunal Federal, aduzindo, em apertada síntese, que seria ela inconstitucional, porque não foi recepcionada pelo § 9º do art. 14 da Constituição Federal, com a redação que lhe deu a Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 7 de junho de 1994.

Todavia, o Supremo Tribunal Federal julgou improcedente a ADPF 144 por entender que a alínea “g” do inciso I do art. 1º da Lei Complementar nº 64/90 não afronta o novo texto constitucional, mais precisamente o § 9º do art. 14, cuja redação adveio com Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 7 de junho de 1994.

Assim, ao meu vê, o simples ajuizamento da ação é o suficiente para suspender a inelegibilidade.

É defeso ao Judiciário exigir mais do que está na Lei, porque, se assim fizer, estará legislando, em afronta ao princípio da separação dos poderes.

Não se deve, sob o pretexto da moralidade e probidade, dizer o que não está na Lei, porque, se assim fizer, está o Judiciário descumprindo texto legal, afrontando, com isto, o princípio da legalidade, com nódoa de improbidade.

Aqui registro, ainda, que no RO nº 912; de 13.9.2006, no RO nº 963; de 29.9.2006, no RO nº 965 e no REspe nº 26.942; e de 16.11.2006, no AgRgRO nº 1.067, se disse ser necessário provimento liminar ou tutela antecipada.

Na verdade, o TSE, fazendo uma atividade integrativa e complementar, analisou a idoneidade da ação desconstitutiva que foi proposta, já que, no RO 912, por exemplo, aquele não tinha a mínima plausibilidade de ser julgada procedente, já que a nulidade (participação de membro do Ministério Público Estadual ao invés de membro do Ministério Público de Contas) que foi suscitada não beneficiáva o autor da ação. Veja, nesse tema, que o ministro Relator, no RO 912, citou outros exemplos em que deveria a justiça eleitoral fazer essa atividadede integrativa e complementar, dentre os quais, o ingresso de ação contra tema já sumulado pelo STF.

Jamais e em momento algum o TSE disse ser necessário a obtenção de liminar ou tutela antecipada no RO nº 912; de 13.9.2006, no RO nº 963; de 29.9.2006, no RO nº 965 e no REspe nº 26.942; e de 16.11.2006, no AgRgRO nº 1.067.

A leitura da emenda do acórdão é que trás essa interpretação.

Veja, nessa questão, que o TSE e o STF jamais declaração a inconstitucionalidade da ressalva contida na alínea “g” do inciso I do art. 1º da Lei Complementar nº 64/90, muito menos fizeram a revogação da Súmula 01 do TSE.

O que de fato está acontecendo é que o judiciário eleitoral não se preoculpou em analisar os votos dos ministros no RO 912, primeiro julgado a trazer essa discussão.

Todos estão viajando e, pior que tudo, negando vigência ao texto de Lei.

Por ser assim, filio-me ao que disse o Ministro Eros Grau na Consulta nº 1.621, ano 2006:

“06. Permito-me afirmar ainda, contudo, que o Poder Judiciário não está autorizado a substituir a ética da legalidade por qualquer outra.

Não hão de ter faltado éticas e justiça à humanidade. Tantas éticas e tantas justiças quantas as religiões, os costumes, as culturas, em cada momento histórico, em cada recanto geográfico. Muitas éticas, muitas justiças. Nenhuma delas, porém, suficiente para resolver a contradição entre o universal e o particular, porque a idéia apenas muito dificilmente é conciliável com a realidade.

A única tentativa viável, embora precária, de mediação entre ambas é encontrada na legalidade e no procedimento legal, ou seja, no direito posto pelo Estado, este com o qual operamos no cotidiano forense, chamando-o “direito moderno”, identificado à lei. A cisão enunciada na frase atribuída a Cristo – “a César o que é de César, a Deus o que é de Deus” – torna-se definitiva no surgimento do direito moderno, direito do modo de produção capitalista, direito posto pelo Estado, erigido sobre uma afirmação a atribuir-se a CREONTE, ainda que não formulada exatamente nessa palavras: “Prefiro a ordem à justiça”. No direito moderno se opera a separação absoluta entre posto e pressuposto, entre lex e ius.

Não devemos abrir espaço para que cada um faça justiça com as próprias mãos, mesmo que esse alguém seja o Poder Judiciário.

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Setembro 25, 2008 em Jurisprudência do STF

 

Etiquetas: , , ,

Professor Supremo

Saiu hoje no site do STF:

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, na tarde desta terça-feira (23), Habeas Corpus (HC 93157) para M.M.O., acusado pela prática de homicídio qualificado. Ele questionava o fato de o juiz ter interrogado antecipadamente as testemunhas do caso. Para os ministros, porém, o Código de Processo Penal permite ao juiz antecipar a produção de provas.

De acordo com o relator, ministro Ricardo Lewandowski, logo que citou o acusado (foragido) por edital e decretou sua prisão preventiva, o juiz decidiu antecipar a produção de provas, sem justificar. O magistrado só fundamentou sua decisão mais tarde, quando solicitado a dar informações de sua atitude às instâncias superiores que julgaram pedidos de habeas corpus ajuizados pela defesa. Na ocasião, o juiz explicou que os fatos criminosos investigados teriam ocorrido há mais de seis anos, e que se corria o risco de as testemunhas esquecerem os detalhes.

Para o ministro Ricardo Lewandowski, mesmo que o Código de Processo Penal permita a produção antecipada de provas, não se pode permitir o automatismo. Assim, por falta de fundamentação específica do juiz a justificar o procedimento, Lewandowski votou pela concessão da ordem para anular os interrogatórios. O ministro fez questão de frisar que seu voto tinha um viés pedagógico, no sentido de alertar os magistrados para que não tornem esse tipo de conduta automatizada.

Quero comentar apenas essa última parte da notícia, que me chamou a atenção.

Em direito, acho muito temerário dizer que alguma interpretação é correta e outra errada. Prefiro falar em maior ou menor adequação. Pegue qualquer matéria, qualquer lei, e dê para 20 profissionais do direito lerem e interpretarem: é provável que você tenha pelo menos 5 interpretações diferentes.

Nossa ciência é inexata por natureza, até porque, se exata fosse, não precisaríamos de contraditório e dialeticidade dos julgamentos, afinal, o resultado sempre seria único.

O problema é que nossa Justiça se estrutura em patamares de revisão. Os patamares superiores têm o poder de reformar decisões dos patamares inferiores. Mas por que? Porque seus membros sabem mais? Porque são melhor preparados? Não necessariamente. Simplesmente porque o sistema judicial é assim e ponto, o que não significa dizer que um Ministro do Supremo seja técnicamente superior ou tenha melhores interpretações que um juiz de primeiro grau ou que um acadêmico no banco da faculdade (e vice-versa).

Humildade, para o julgador, nesse ponto, significa admitir que, embora sua decisão seja definitiva, ela não é necessariamente a melhor.

O problema é que geralmente quem está nos patamores superiores se convence que é sim o melhor, é o único guardião da Constituição e tem a cabeça mais iluminada do que os demais. Conseqüência: além de decidir da forma como bem entende (o que é normal, faz parte do sistema), resolve “ensinar” os outros. E surgem os “votos pedagógicos”, como o noticiado acima. A mensagem é meio assim: “Srs. Juízes aí de baixo, que não estudam e sabem menos que nós, vou ensiná-los a trabalhar. Vocês têm trabalhado errado. O método correto de trabalhar é este daqui que vou expor… Não trabalhem mais desse jeito errado viu!!”.

Tudo bem que a intenção do ministro foi das melhores, mas se esqueceu do fato de que o “automatismo”que ele combate  pode ter decorrido de uma linha interpretativa válida e que, portanto, não pode ser tomada por errada a ponto de gerar uma lição de sua parte.

Não se atentar para o fato de que o Direito é pluralista e que não há interpretações absolutamente corretas ou incorretas pode levar a essa conduta de transformar o ato de julgar em ato de transmitir lições, ou mesmo palestrar. O julgador não fundamenta sua decisão para ensinar os demais, mas para permitir o controle do seu julgamento em instâncias superiores e permitir aos atingidos pela decisão tomarem conhecimento dos motivos que levaram o juiz a fazê-lo.

Por outro lado, o problema é que o professor-julgador, nesse caso, não é o único a lecionar. E podem surgir divergências entre os outros professores da turma (que lecionam uns para os outros). Acaba que os alunos não entendem nada, os professores não se definem e nenhuma aula é ministrada. Na aula de hoje, por exemplo, o voto pedagógico ficou vencido. Os ensinamentos ainda valem?

Lição do dia: o Supremo pode julgar tudo, mas não deve ter a pretensão de ensinar nada a ninguém.

 
2 Comentários

Publicado por em Setembro 24, 2008 em Jurisprudência do STF

 

Alteração no CDC

Publicada hoje a Lei nº 11.785/2008, que deu a seguinte redação ao art. 54, § 3º, do CDC:

 

Art. 54. ………………………………………………………………….

§ 3o Os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com caracteres ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao corpo doze, de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor.

……………………………………………………………………………” (NR)

Não vejo com bons olhos quando o legislador desce a minúcias como essa. Imaginem só mutuários pedindo a nulidade de contratos de empréstimo porque o banco utilizou fonte 10. Vamos resolver como? Perícia para aferir o real tamanho da fonte? Isso sem falar que cada letra possui tamanhos diferentes. Experimente escrever um texto em arial 12 e em garamond 12 para ver a discrepância de tamanho das fontes.
Demais disso, é a fonte, por si só, a causa do não conhecimento das normas contratuais?
.
Porque não ser pragmático? Se da forma como estava redigido e foi celebrado o contrato era possível compreender claramente seus termos, independentemente do tamanho da fonte, concluir-se-ia por sua higidez. Do contrário, não.
.
Mais importante seria estabelecer meios que levassem as empresas a explicarem claramente ao cliente o que está sendo assinado, coisa que na prática não acontece. Lembro bem quando eu era bancário: a assinatura do contrato de abertura de conta corrente era explicada para o cliente com apenas uma frase: “É só pra formalizar”. De que adiantaria estar ele redigido em letra 12?
.
De nada adianta um contrato redigido em fonte 16 com termos obtusos, ambíguos ou que não permitam compreensão clara e simples.
.
Data venia, mas o legislador perdeu boa oportunidade de permanecer “calado”. Com o perdão do trocadilho, mas acho que a “Lei da Fonte 12” vai virar letra morta.
 
1 Comentário

Publicado por em Setembro 23, 2008 em Leis

 

Mais sobre a primeira fase de fixação da pena

No post “Afinal, que critério adotar na primeira fase de individualização da pena?” fiz algumas considerações sobre o método que considero mais correto para se estabelecer a pena base dos réus.

Recentemente, recebi no meu e-mail funcional o resultado de um julgamento de apelação contra uma sentença minha em que o relator, Juiz Substituto em Segundo Grau Mário Helton Jorge, traz fundamentação brilhante acerca desse método.

Achei tão bons os argumentos por ele trazidos e a forma didática como explicou o sistema que resolvi colacionar trecho do acórdão aqui.

Para quem quiser visualizar o acórdão inteiro, basta consultar, pelo site do TJPR, o julgamento da Apelação Criminal nº 462.564-3, da 1ª Câmara Criminal.

Eis as lições do eminente Juiz:

A aplicação da pena é o momento em que o Juiz realiza, em cada caso concreto, a força do direito, impondo, após o édito condenatório, a sanção jurídica ao condenado. Trata-se de um poder discricionário dado ao magistrado pela Constituição Federal e pela Lei (Código Penal). Mas, muito embora discricionário, não é um poder arbitrário, na medida em que ao juiz cabe aplicar a pena justa ao caso, com a necessária motivação e fundamentação, à luz do método trifásico, previsto no art. 68, do CP. Ao sentenciado é assegurado conhecer, não somente as razões pelas quais é punido, mas também os critérios para dosimetria da pena que lhe é imposta, sob pena de macular a sentença condenatória em nulidade tópica, consoante entendimento pacífico do STF:

“Habeas Corpus. Falta de observância, no caso, do método trifásico de fixação da pena do ora paciente. Habeas Corpus deferido em parte, para que, sem prejuízo da condenação e da prisão do ora paciente, seja anulada a sentença na parte em que lhe individualizou a pena privativa de liberdade, devendo outra ser prolatada, nessa parte, com a observância do método trifásico” (STF – HC – 74.016-2/PR – Rel. Min. Moreira Alves – 1.ª Turma – STF – DJU 07.02.97, p. 1.339).

A propósito, a dosimetria da reprimenda, fundada no princípio constitucional da individualização da pena (CF, art. 5º, XLVI) e, em última análise, no princípio do devido processo legal (CF, art. 5º, LIV), efetiva-se, segundo o artigo 68, do vigente Código Penal, basicamente em três fases distintas (método trifásico ou de NELSON HUNGRIA): na primeira fase, o juiz define a pena-base, levando em conta as circunstâncias judiciais do artigo 59 do Código Penal; na segunda fase, o Juiz delineia a pena provisória, analisando as circunstâncias legais incidentes no caso concreto, quais sejam: as agravantes (CP, arts. 61 e 62) e atenuantes (CP, arts. 65 e 66) genéricas; e, por fim, na terceira fase, o Magistrado determina a pena definitiva, levando em conta as causas de aumento e diminuição da pena, também denominadas majorantes e minorantes, previstas na parte geral (majorantes ou minorantes gerais) ou na parte especial do CP (majorantes ou minorantes especiais), bem como na legislação penal extravagante. Após observação estrita da ordem acima, é que se chega à pena final ou definitiva.

Logo, diante do art. 68, do CP, com redação dada pela Lei nº. 7.209/84 (Reforma da Parte Geral do CP), não pairam quaisquer dúvidas, na doutrina e na jurisprudência, acerca do método adotado pelo Código Penal brasileiro no tocante à dosimetria da pena. 

À luz desse método, para que o Juiz, na primeira fase da dosimetria, possa delinear a pena-base a ser aplicada no caso concreto, deve partir da pena mínima, cominada em abstrato no preceito secundário do tipo penal, bem como analisar as oito circunstâncias judiciais inseridas taxativamente no artigo 59, do CP, quais sejam: (1) culpabilidade; (2) antecedentes; (3) conduta social; (4) personalidade do agente; (5) motivos do crime; (6) circunstâncias do crime; (7) conseqüências do crime; e, por derradeiro, (8) comportamento da vítima. Vale considerar como de caráter subjetivo: a culpabilidade, antecedentes, conduta social e personalidade do agente; e de caráter objetivo: motivos, circunstâncias e conseqüências do crime. É assente na doutrina, que umas não preponderam sobre as outras e tampouco podem ser compensadas.

A função das circunstâncias judiciais consiste em pautar o cálculo da pena-base na primeira fase do método trifásico. Sopesando cada uma delas, o juiz, partindo do mínimo cominado em abstrato pelo tipo penal, terá condições de calcular a pena-base, a qual ficará entre o mínimo e o máximo cominado no tipo, de acordo com o número de circunstâncias judiciais consideradas desfavoráveis ao sentenciado e com o quantum de distanciamento correspondente a cada uma dessas. Essa tarefa, de dosagem da pena-base aplicável à conduta delitiva, submete-se ao poder discricionário do julgador, após sopesar as circunstâncias judiciais desfavoráveis.

Embora a doutrina seja quase unânime ao afirmar que a fixação da pena fica ao prudente arbítrio do julgador, por força do princípio da individualização da pena, deve o julgador adotar um método mais transparente, que demonstre, da forma mais clara possível, qual o caminho que o seu raciocínio percorreu para se chegar à pena, em cada uma das etapas de sua aplicação. Assim deve o magistrado evitar uma apreciação subjetiva pura e simples, embora se admita certa dose de discricionariedade na prática do ato, pois existem parâmetros objetivos a serem observados.

Nesse ponto, para o delineamento da pena-base, o juiz, tendo por base o mínimo da pena cominada em abstrato pelo tipo penal, só poderá afastar a pena-base de tal mínimo, quando reconhecer como desfavorável ao sentenciado pelo menos uma das circunstâncias judiciais. Assim, se o juiz entender que nenhuma das oito circunstâncias judiciais é desfavorável ao sentenciado (ou seja, todas lhe são favoráveis), deverá manter a pena-base no patamar mínimo cominado no tipo. 

Por outro lado, havendo concurso de circunstâncias judiciais favoráveis e desfavoráveis ao sentenciado, não pode haver compensação entre elas, devendo o magistrado distanciar a pena-base do mínimo legal, em relação, somente, às circunstâncias desfavoráveis, na seguinte proporção: a cada circunstância judicial considerada desfavorável pelo juiz, este acrescerá, à pena mínima, certo quantum (que chamaremos de coeficiente de distanciamento, representado pelo signo z) previamente por ele estabelecido. Tal quantum poderá assumir três valores distintos, a depender do grau de desvalor que recaia sobre cada circunstância judicial em análise: grau máximo, médio e mínimo. O maior desses valores (desvalor de grau máximo) corresponde ao teto máximo de distanciamento entre a pena-base e o mínimo cominado, devendo ser observado pelo juiz sentenciante. 

A propósito, o mencionado quantum (coeficiente de distanciamento), que deve ser somado à pena mínima cominada em abstrato no tipo penal, quando for o caso, a fim de se delinear a pena-base, depende dos possíveis graus de desvalor que podem operar sobre as circunstâncias judiciais consideradas desfavoráveis ao sentenciado.

Há várias técnicas de mensuração desse valor; porém, adota-se, preferencialmente, com algumas adaptações, a de ALEXANDRE HUNGRIA (in, Esquema de Aplicação da Pena), trazida pelo Professor MAURÍCIO KUEHNE (in, Teoria e Prática da Aplicação da Pena, 3ª ed. Curitiba. Juruá: 2001, p. 45/52), por apresentar viés mais objetivo e transparente. Por esse método, o mencionado valor referencial para o cálculo da pena-base se chama coeficiente de distanciamento, representado, como já vimos pela letra z.

O coeficiente de distanciamento (z), é calculado pela seguinte fórmula: z = (PENA MÁXIMA COMINADA – PENA MÍNIMA COMINADA) ÷ 8; sendo o denominador valor invariável, pois representa o número de circunstâncias judiciais, previstos no artigo 59, do CP. 

A partir do valor de z, que representa o teto máximo para o distanciamento da pena-base do mínimo cominado no tipo penal, estabelece-se a escala de graus, referente ao grau de reprovabilidade, que recai sobre a circunstância considerada desfavorável ao sentenciado: o grau máximo (que é o próprio z), médio e mínimo. O grau médio é 2/3 (dois terços) de z; e o mínimo, por sua vez, é 1/3 (um terço), também, de z. Logo, o grau de reprovabilidade que recai sobre a circunstância desfavorável pode assumir um valor de grau máximo, médio ou mínimo.

Eis a razão pela qual esse quantum, que se soma à pena mínima cominada no tipo penal, a cada circunstância judicial desfavorável reconhecida para se delinear a pena-base, não é sempre o mesmo, pois varia de acordo com a intensidade de desvalor considerada pelo juiz, assumindo um dos três valores calculados: máximo (que é o teto), médio ou mínimo.

 
3 Comentários

Publicado por em Setembro 22, 2008 em Artigos

 

Etiquetas: , , , , ,

STJ – Juros de mora do art. 406 do CC

A corte especial do STJ decidiu que os juros de mora previsto no art. 406 do CC devem ser calculados pela SELIC, não se aplicando o percentual de 1% previsto no art. 161 do CTN. Trata-se de decisão que deve servir de paradigma para futuros julgados, porque havia questionamento sobre a matéria. Eis o que consta do informativo 367:

A Corte Especial entendeu que os juros de mora decorrentes de descumprimento de obrigação civil são calculados conforme a taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), por ser ela que incide como juros moratórios dos tributos federais (art. 406 do CC/2002, arts. 13 da Lei n. 9.065/1995, 84 da Lei n. 8.981/1995, 39, § 4º, da Lei n. 9.250/1995, 61, § 3º, da Lei n. 9.430/1996 e 30 da Lei n. 10.522/2002. Assim, a Corte Especial conheceu da divergência e deu provimento aos embargos de divergência. EREsp 727.842-SP, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, julgados em 8/9/2008.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Setembro 21, 2008 em Jurisprudência do STJ

 

Etiquetas: , , , , ,

Presunção de inocência, sempre ela (de novo)

Complementando o post abaixo, acabei de abrir notícia do site do STF que diz que foi arquivada, pelo Ministro Celso de Mello, reclamação similar à noticiada no post abaixo. Por curiosidade, trata-se de processo relativo a uma comarca onde já fui juiz. Segue a notícia:

Ministro Celso de Mello arquiva reclamação de candidato que teve candidatura rejeitada

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, arquivou a Reclamação (RCL) 6567, na qual o candidato Paulo Marcelino Andreoli Gonçalves denunciava o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE/PR) por supostamente descumprir a decisão do Supremo segundo a qual juízes eleitorais não podem negar o registro de candidatura a réus de processos penais e de improbidade administrativa. Essa decisão do STF foi resultante do julgamento da Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 144.

Na decisão, o ministro disse que a Reclamação não é o instrumento apropriado para Paulo Marcelino Andreoli, ex-prefeito de Campina da Lagoa (PR), questionar a recusa do TRE paranaense em registrar sua candidatura: “Não é meio de revisão da jurisprudência eleitoral”, explicou, lembrando que a Reclamação não tem características de recurso.

Somente após pedir o registro da candidatura, Andreoli conseguiu suspender a rejeição das contas públicas do período em que administrou a cidade. Segundo o relator, a negativa ao registro, nesse caso, não resultou de qualquer julgamento da Corte, por incompatibilidade com os preceitos fundamentais da probidade e da moralidade administrativas, e sim porque “a obtenção de provimento cautelar ocorrera tardiamente”.

Celso de Mello disse, ainda, que a decisão da Corte teria sido desrespeitada se a Justiça Eleitoral recusasse o registro de candidatura pelo fato do político ser réu em processo de improbidade administrativa ainda não transitada em julgado. No entanto, ele conclui que não houve desrespeito à autoridade do STF por se tratar de matéria totalmente estranha ao que se decidiu no julgamento da ADPF 144.

Leia a íntegra da decisão.

Leiam a íntegra da decisão do Ministro Celso de Mello. A decisão se aprofunda mais na análise do tema, e toca em alguns dos pontos que destaquei no post anterior. Dá para antever que os posicionamentos dos Ministros Celso de Mello e Eros Grau são contrários. O julgamento da reclamação mencionada no post anterior, especialmente se afetado ao plenário, será muito interessante de ser assistido. Aguardemos…

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Setembro 21, 2008 em Jurisprudência do STF

 

Etiquetas: , , , , , ,

Presunção de inocência, sempre ela

O Ministro Eros Grau começa a agitar uma tese no STF que ensejará uma boa discussão. Ele tem concedido liminares em reclamações ajuizadas por candidatos que tiveram seu pedido de registro de candidatura indeferido porque tiveram suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas.

É que o art. 1º, inciso I, alínea “g”, da LC 64/90 (Lei das Inelegibilidades) estabelece que são inelegíveis “os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se a questão houver sido ou estiver sendo submetida à apreciação do Poder Judiciário”. Interpretando a norma, o TSE havia editado a súmula nº 01, que dizia que “proposta a ação para desconstituir a decisão que rejeitou as contas, anteriormente à impugnação, fica suspensa a inelegibilidade (Lei Complementar no 64/90, art. 1°, I, g)“. Modernamente, a corte eleitoral vinha entendendo que a mera propositura da ação anulatória, sem a obtenção de provimento liminar ou tutela antecipada, não suspende a inelegibilidade (Ac.-TSE, de 24.8.2006, no RO nº 912; de 13.9.2006, no RO nº 963; de 29.9.2006, no RO nº 965 e no REspe nº 26.942; e de 16.11.2006, no AgRgRO nº 1.067, dentre outros)“.

Então ficava assim: se o candidato teve suas contas rejeitadas anteriormente, deveria ingressar com ação para desconstituir a rejeição e obter, nessa demanda, provimento antecipatório ou cautelar. Do contrário, estaria inelegível.

O Min. Eros Grau, em reclamação, sustenta que o decidido na ADPF 144 (aquela sobre os “fichas suja”) se aplicaria ao caso e que deveria prevalecer o princípio da presunção de inocência. Vejam o texto do despacho do Ministro:

DECISÃO:
1. Trata-se de reclamação, com pedido de medida liminar, proposta por José Rodrigues da Costa contra ato do Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Alagoas, nos autos do Recurso Eleitoral n. 243.2. O reclamante sustenta que o indeferimento de seu pedido de registro de candidatura às eleições proporcionais para o cargo de Prefeito do Município de Taquarana/AL afronta a autoridade do que foi decidido no julgamento da ADPF n. 144.

3. Alega que o ato que fundamentou a decisão denegatória de seu pedido de registro de candidatura não tem caráter definitivo.

4. A decisão da autoridade reclamada tem o seguinte teor: “[n]ão havendo provimento judicial liminar que suspenda os efeitos da decisão proferida pelo Tribunal de Contas da União, persiste a inelegibilidade prevista no art. 1º, inciso I, alínea ‘g’, da Lei Complementar nº 64/90” [fl. 15].

5. O reclamante afirma ainda que os pressupostos processuais necessários ao deferimento da medida cautelar estariam configurados, na medida em que se encontra impedido de realizar campanha eleitoral para a disputa do cargo de Prefeito do Município de Taquarana/AL.

6. Requer a concessão de medida liminar para suspender os efeitos do acórdão n. 5.327, Recurso Eleitoral n. 243.

7. É o relatório. Decido.

8. O reclamante aponta como violada a decisão proferida na ADPF n. 144. Esta Corte, em 6 de agosto de 2008, por maioria, julgou improcedente a argüição de descumprimento de preceito fundamental n. 144, Relator o Ministro CELSO DE MELLO, na qual foi questionada a validade constitucional das interpretações emanadas do Tribunal Superior Eleitoral referentes à inelegibilidade fundada na vida pregressa dos candidatos.

9. O Plenário fixou entendimento no sentido de que o princípio da presunção de inocência é dotado de efeitos que transcendem os limites dos processos penais de caráter condenatório, impedindo, destarte, que situações processuais ainda não definidas por sentenças transitadas em julgado impliquem a inelegibilidade dos cidadãos ou impeçam candidaturas para mandatos eletivos. A alegação de que a ressalva contida na alínea “g” do inciso I do artigo 1º da LC 64/90 estaria em confronto com o que dispos to na EC 4/94 foi afastada.

10. Afirmei na ocasião do julgamento da ADPF n. 144 que a suposição de que o Poder Judiciário possa, na ausência de lei complementar, estabelecer critérios de avaliação da vida pregressa de candidatos para o fim de definir situações de inelegibilidade importaria a substituição da presunção de não culpabilidade consagrada no art. 5º, LVII, da Constituição (“[n]inguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”) por uma presunção de culpabilidade contemplada em lugar nenhum da Constituição (qualquer pessoa poderá ser considerada culpada independentemente do trânsito em julgado de sentença penal condenatória).

11. A ação desconstitutiva proposta pelo reclamante ainda pende de julgamento. Seu caráter provisório não está condicionado à concessão de medida liminar que beneficie o reclamante. Essa exigência não tem funda mento legal.

Presentes os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora, defiro a medida liminar para suspender os efeitos da decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Alagoas, proferida nos autos do Recurso Eleitoral n. 243, até o julgamento final desta reclamação.

Solicitem-se informações à autoridade reclamada.

Dê-se vista do autos à Procuradoria Geral da República [artigo 16 da Lei n. 8.038/90 e artigo 160 do RISTF].

Publique-se.

Embora eu não possa opinar sobre processo pendente de julgamento (vide post abaixo), nada proíbe que eu ressalte alguns pontos que devem levar à interessante discussão no STF. São eles:

1. O princípio da presunção de inocência está previsto no inciso LVII do art. 5º da CF, que diz que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória“. O texto é bem claro ao mencionar sentença penal. Podemos aplicá-lo também a matérias administrativas e cíveis, ou estaríamos alargando por demais o direito fundamental?

2. Ainda quanto a esse princípio, no caso em comento o candidato é que ingressou com a ação anulatória. No geral, o princípio da presunção de inocência protege réus, em razão de algo óbvio: compete a quem acusa o ônus da prova. No caso em comento, não se estaria criando um princípio da “presunção de procedência” da ação intentada pelo candidato, que sequer conseguiu provimento antecipatório?

3. Ao contemplar o entendimento exposto acima, não se estaria dando mais valor a um carimbo de distribuição da ação anulatória do que a um acórdão do Tribunal de Contas? Não se esvaziaria a regra do art. 1º, inciso I, alínea “g”, da LC 64/90, porque, na prática, basta o autor protelar o feito que ele mesmo ingressou (o que é mais que possível) por longos anos para jamais ser atingido pela inelegibilidade?

4. O instituto da reclamação serve para preservar a autoridade de decisão do STF. Na ADPF 144, decidiu-se que o art. 14, § 9º, da CF, não é auto-aplicável. No caso em comento, discute-se a aplicabilidade do art. 1º, inciso I, alínea “g”, da LC 64/90, que somente foi mencionado superficialmente em um ou outro voto. Há similitude entre os dois casos para justificar o uso da reclamação?

São perguntas que o STF, em breve, responderá. Aguardemos os próximos capítulos.

 
5 Comentários

Publicado por em Setembro 21, 2008 em Jurisprudência do STF

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,